Declarada inconstitucionalidade de lei que limitava som e horário de cultos religiosos

NO AR

Nas Ondas do Rádio com Cléo Louzada

TOP 5

1

Zé da Recaída

Gusttavo Lima
2

Só Pra Castigar

Wesley Safadão
3

Sofazinho

Luan Santana part. Jorge & Mateus
4

Atrasadinha

Felipe Araújo part. Ferrugem
5

Notificação Preferida

Zé Neto & Cristiano

ENQUETE

Você ouve o Programa do Mução na Rádio Onda Sul?

FACEBOOK

TEMPO VILHENA

 


Data: 05 de Dezembro de 2018

Declarada inconstitucionalidade de lei que limitava som e horário de cultos religiosos

A Lei ainda determinava que não podia ultrapassar 4 horas diárias de realização de cultos ou atividades religiosas, exceto aos sábados, domingos e feriados, que poderia se estender até 6 horas diárias.

O Tribunal de Justiça de Rondônia (TJRO) decidiu, na manhã desta segunda-feira (3), declarar a inconstitucionalidade da lei do município de Ji-Paraná (cidade 376km da capital Porto Velho) que fixava limite para emissão sonora em culto e templos religiosos, bem como horário de funcionamento.

A Lei ainda determinava que não podia ultrapassar 4 horas diárias de realização de cultos ou atividades religiosas, exceto aos sábados, domingos e feriados, que poderia se estender até 6 horas diárias.

A Ação Direta de Inconstitucionalidade foi proposta pelo Ministério Público de Rondônia em face da Lei 3.607/2017 alterada pela Lei 3.067/2017. O MP sustentou que a lei ofendia à constituição federal e estadual pois estabelecia limites para emissão sonora nas atividades religiosas naquele município mais rígido em relação à regra geral incidente sobre os demais estabelecimentos e empreendimentos municipais, dispostos na legislação estadual e federal.

O relator do processo, desembargador Alexandre Miguel destacou em seu voto que a União possui normas que estabelecem os padrões aceitáveis para emissão de ruído. “Em decorrência da Política Nacional do Meio Ambiente Lei nº 6.938/1981, não há como negar o caráter geral dessas regras. Logo, não se pode permitir qualquer previsão que seja contrária ou menos restritiva”, destacou o relator. 

Além disso, o STF vem decidindo que a competência dos municípios para legislarem sobre meio ambiente deve ser feita de forma harmônica com a disciplina dos demais entes federados, o que foi demonstrado em repercussão geral, no julgamento do RE 586.224. 

Ao analisar a Lei Municipal n. 3.060/2017 com redação dada pela Lei n. 3.067/2017, o relator verificou que esta aumenta o limite de emissão sonora estabelecido na norma fixada pela União, fazendo distinção entre os templos religiosos de Ji-Paraná e os demais templos religiosos dos demais municípios, o que não deveria existir, configurando a ofensa ao princípio da isonomia, igualdade e da proteção ao ambiente ecologicamente equilibrado. 

Ao finalizar, o desembargador explicou que independentemente do motivo, razão ou finalidade de produção do ruído, ainda que proveniente de templo religioso, ruído será sempre ruído, tanto que sua aferição é medida cientificamente por meio de decibéis, razão pela qual existe norma específica a coibir excessos, a qual se aplica indistintamente a todos os templos religiosos.

 

A ação foi julgada procedente e reconhecida a inconstitucionalidade da lei, tendo todos os desembargadores acompanharam o relator da ação.

 

Foto: Reprodução

Fonte: TJ/RO





FÃ CLUBE

Área do site reservada aos fãs da Rádio Onda Sul FM 94,9. Se você ainda não se cadastrou Clique Aqui para solicitar sua carteirinha gratuitamente, para participar das promoções exclusivas que só os fãs da Rádio Onda Sul FM têm.

CONTATO

(69) 3321-1130 Avenida Rio de Janeiro, 3986 - Setor 19 Vilhena RO
Softwei Engenharia de Sistema
Desenvolvido por Softwei, Buscazip & Guiaking © 2013 - 2018 Todos os direitos reservados